Construção enxuta

//Construção enxuta

A Colmeia, construtora cearense que há 20 anos atua no mercado local, acaba de introduzir um aperfeiçoamento sobre o conceito de canteiro de obras como linha de produção. A empresa elevou a outro patamar o modelo de gestão lean construction (construção enxuta, em português) ao desenvolver um software para o controle fino do trabalho, envolvendo desde os técnicos aos operários, dentro de um planejamento que tem por finalidade a otimização dos resultados.

Seis terminais informatizados com telas digitais e um tablet (preso ao elevador de cargas) dividem espaço com materiais de construção no canteiro de obras do Condomínio-clube Terramaris, em construção na Rota do Sol, em Ponta Negra, próximo ao estádio de futebol do ABC.

O empreendimento, com cinco torres (divididas em dois condomínios clubes), 400 apartamentos e 66 itens de lazer, é o primeiro no Estado a contar com esse modelo de gestão, estudado por quatro anos pela Colmeia e testado, antes, num de seus empreendimentos em Fortaleza, onde está sediada a matriz da empresa.

“O lean construction é um conceito que já faz parte do dia a dia de várias construtoras no Brasil e também está sendo difundido no mercado potiguar. Nossa contribuição é na evolução do conceito através do desenvolvimento de um software aplicado a essa filosofia gerencial que busca melhorar a eficiência no trabalho, reduzindo custos e o desperdício de materiais e aumentando a produtividade e a qualidade da construção”, diz o engenheiro civil e coordenador de obras Gustavo de Medeiros Pinheiro.

O conceito de gestão “lean construction” vem sendo empregado desde o início da construção do condomínio Terramaris, em julho de 2013, mas a parte de software só foi incorporada há pouco mais de um mês.

Com interface bem simples e prática, o sistema permite que os operários programem suas tarefas nos terminais de computador. Apenas tocando a tela, eles conseguem comunicar rapidamente à coordenação de obras uma eventual interrupção na programação da produção, indicando o motivo e também em qual local ela acontece. De imediato, o responsável é contatado para resolver o problema.

Ao conectar todos que trabalham no canteiro de obras, a informatização agiliza e facilita a comunicação, sendo um diferencial e tanto enquanto ferramenta do processo. Mas a base de tudo é o planejamento logístico, que começa com a linha de balanço a longo prazo.

“É um gráfico onde constam todos os serviços, com data de início e fim, sua localização no canteiro de obras e as equipes envolvidas”, explica a engenheira Deborah Moura. Ainda de acordo com ela, é feito o acompanhamento semanal dessa linha de balanço, para avaliar seu andamento, saber se cada serviço foi executado e, se não foi, por que razão não foi.

“O canteiro de obra deve ser bem planejado para as diversas fases de execução dos serviços. Só assim, é possível conseguir aumentar a produtividade e diminuir os desperdícios dos insumos em geral”, diz ela.

“A produção em um canteiro de obras, comumente visto como artesanal e desorganizada, adquire um aspecto de indústria. E todo mundo ganha: a empresa, que reduz os insumos e o tempo de construção, obtendo uma economia considerável no final; o operário, que aumenta sua produtividade e, consequentemente, sua remuneração; e o cliente, uma vez que o processo permite que a construtora eleve a especificação do empreendimento sem qualquer custo a mais para o comprador do imóvel”, acrescenta o coordenador de obras Gustavo Pinheiro, que está vendo isso acontecer na prática.

No Terramaris, o padrão do piso foi elevado. O material previsto no projeto era cerâmica, mas foi substituído por porcelanato polido 60×60. Já os operários da obra tiveram um ganho de 20% a mais na remuneração. Aliás, na avaliação deles, a nova metodologia de trabalho e a tecnologia estão aprovadas. “Antes, era tudo atropelado, todo mundo me pedindo o material ao mesmo tempo. Num momento, eu ficava sobrecarregado e em outro não tinha nada para fazer”, diz o operador de guincho Paulo Sérgio Mariano de Oliveira, que agora recebe os pedidos de material por meio de um tablet afixado no elevador de cargas. Quando termina de atender uma demanda, com um simples toque na tela do equipamento, ele avisa que está livre para a próxima solicitação de material. E assim a obra vai andando, sem atropelos nem desperdício de tempo.

Para o gerente geral da Colmeia, Raimundo Nonato Maia Costa, ao aderir ao conceito de gestão de construção enxuta e ainda incrementá-la, a empresa só reforça seu perfil inovador. “Investimos em tecnologia de ponta e em nossos colaboradores com o objetivo de entregar apartamentos com qualidade e responsabilidade”, afirma ele, cuja intenção é ajudar a disseminar o conceito no mercado potiguar.

“Estamos à disposição para mostrar e falar sobre nossos procedimentos a outras empresas da construção. Acho que é bom. Educa o setor, que só tem a ganhar com isso”.

Fonte: http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/construa-a-o-enxuta/293557

By | 2017-08-14T20:19:09+00:00 setembro 19th, 2014|Notícias|0 Comments

About the Author: