Organização e planejamento ajudam no sucesso da votação

Em muitos condomínios a função de síndico é evitada a qualquer custo e vista
como um trabalhão sem o menor retorno. Em outros, porém, há muita disputa. Há
quem deseje ser síndico para ajudar a melhorar as condições do condomínio ou
para obter uma remuneração extra, desconto ou isenção nas taxas mensais. Há
também aqueles que almejam o status que o cargo traz .

Nesses locais, onde há grande disputa pela função, seria útil se os condôminos
tivessem tempo (e vontade) para pesquisar as propostas e os perfis de cada
candidato. Hoje em dia, há condomínios que exigem que o interessado tenha “Ficha
Limpa” para poder competir.

De qualquer forma, não é qualquer pessoa que pode ser síndico. Para tanto,
deve-se estar em dia com as despesas do condomínio. Especialistas também
recomendam que o candidato não esteja com o seu CPF negativado em órgãos de
proteção ao crédito. Fora isso, o responsável pelo condomínio pode ser uma
pessoa ou empresa, e residir ou não por ali.

Como se preparar para a eleição:

> Cada condomínio tem um prazo para enviar a convocação protocolada para
todos os moradores. Respeite esse período
> Caso haja interesse na formação de chapas, é possível montá-las
> Pode-se sugerir que, com um mês de antecedência, os interessados na vaga
expressem seu desejo de ocupá-la. Nesse meio tempo, podem se reunir com o
síndico atual para discutir as melhorias pela qual o condomínio está passando e
se devem ser mantidas
> Durante esse período, os candidatos podem expor também suas propostas para
o condomínio. Uma folha tamanho A4 no quadro e avisos pode ser uma boa maneira
de expressar suas ideias
> Cartas ou panfletos também podem ser deixados nas unidades. Procure exaltar
suas propostas e evite comentários negativos sobre a gestão atual – com certeza
há aqueles que apoiam o atual síndico
> Cuidado com pesquisas para avaliar o síndico. Pergunte-se se as questões
estão todas acima do limite da boa educação

Durante a assembleia de votação

> Mesmo com alguns candidatos já lançados, a maioria das convenções não
proíbe que alguém interessado surja de última hora
> Pode-se combinar que os interessados tenham de cinco a dez minutos – no
máximo – para expor suas propostas aos presentes
> Veja o que diz a convenção sobre o uso de procurações. Em alguns casos, se
pede o documento assinado, em outros, com firma reconhecida
> Ainda sobre procurações, procure conhecer os detalhes de uso dessa
ferramenta: há limite de procurações por pessoa? O síndico ou membros do
conselho podem recebê-la?
> Em geral a assembleia de votação acontece juntamente com a aprovação das
contas do período anterior e do orçamento previsto para o ano em exercício. Além
da votação, já dá uma pauta extensa. Procure não aumentá-la com mais assuntos
> Atente também para os inadimplentes e inquilinos: eles não podem votar.
(Obs.: inquilinos podem, desde que munidos de procuração do proprietário)

Se prepare para a função

> Avalie se realmente terá disponibilidade e boa vontade para se dedicar ao
condomínio.
> Estude a gestão atual: o que está bom e deve ser mantido? O que deve mudar?
> Se você tem conhecimentos de gestão de pessoas, contabilidade, direito ou
áreas afins, vale a pena destacar essa vivência – ela conta pontos para um bom
síndico
> Também soma quando o interessado já fez “carreira” no condomínio, seja como
subsíndico, membro de comissões ou do conselho
> Ajuda se o síndico tiver algumas das seguintes características: saber
ouvir, delegar funções, ser organizado, paciente, bom comunicador. A principal
característica, porém, é ter liderança.

O que não fazer depois de eleito

> Querer reduzir custos de qualquer maneira pode ser bom no curto prazo, mas
pode deixar o condomínio com pouco caixa ou com maus parceiros
> Dar mau exemplo: não pagar as cotas em dia, deixar de seguir o regulamento,
tratar os outros com desrespeito
> Mesmo sendo um síndico experiente, não seja um “sabe-tudo” – muitas vezes a
presença de uma administradora, quando o condomínio pode pagar, traz muitos
benefícios
> Não ouvir os moradores
> Não ser transparente com a prestação de contas
> Deixar de se comunicar com os condôminos, não mostrando por exemplo, obras
pouco aparentes, como manutenção preventiva

Fonte: SindicoNet