Cultivo de pequenas hortaliças e verduras dentro de casa é possível por meio de ideias simples e baratas; aprenda

Por Marcelle Hergert*

Além das hortaliças, frutas e legumes estarem cada vez mais caros, a maioria foi cultivada com muito agrotóxico (lembrando que os produtos orgânicos, que não tem nenhum uso de agrotóxico, são ainda mais saudáveis), então porque não fazemos nossa própria hortinha caseira?

Não é necessário um quintal enorme para poder ter alimentos fresquinhos sempre á mão!

Em pequenos espaços, como cozinha, varanda ou um pequenino espaço perto da janela, podem virar uma hortinha; o importante é que esse espaço tenha luminosidade natural durante boa parte do dia.

Você começa sua horta a partir de vasinhos com mudas já crescidas ou a partir de sementes, é só escolher as hortaliças de sua preferência e colocar as mãos á obra: você pode plantar em vasilhas, vasos, jardineiras, calhas, canos de PVC , garrafas PET ou o que sua imaginação deixar.

Algumas jardineiras são próprias para serem instaladas nos beirais de janelas, pois elas possuem a fixação adequada para que não tenha perigo de cair.

Siga o passo a passo abaixo para plantar suas mudinhas ou sementes:

1. Escolha um vaso ou pote de sua preferência com furos para que a água em excesso da rega possa escoar e a planta não ficar encharcada
2. Encha um terço do vaso com brita ou argila expandida, para a drenagem
3. Coloque a terra, é bom fazer uma mistura com terra e composto orgânico
4. Plante as mudas ou as sementes
5. Regue as sementes de 2 á 3 vezes ao dia e quando estiverem crescidas, regar uma vez ao dia. Sempre regar no início da manhã ou fim da tarde, evitando o sol do meio dia, pois é muito forte ( a rega nesse horário pode queimar as folhas).
6. Adubar a cada 30 ou 60 dias, com adubo orgânico

Não plante muitas mudas diferentes no mesmo vaso. Junte as que têm necessidades parecidas, como os temperos (salsinha e cebolinha; alecrim e manjericão) ou legumes (cenoura e beterraba) da mesma família.

Alguns temperos e ervas são mais resistentes e vivem por mais tempo, como o orégano, a salsinha e a cebolinha. Outros, como o coentro, exigem novo plantio a cada ano. Já o manjericão é bianual, mas pode ter uma vida útil longa em algumas condições.

Uma dica para escolher os temperos para sua horta caseira é escolher os que comumente usa-se na hora de cozinhar, como: alecrim, manjericão, hortelã, orégano, tomilho, sálvia, pimenta e salsão…

Manjericão: prefere temperaturas mais altas ou, pelo menos, amenas. É bom se informar sobre as peculiaridades dos diferentes tipos. O manjericão roxo, por exemplo, não gosta de muito sol. É ótimo para acompanhar pratos da cozinha italiana, como pizzas e molhos para massas.

Alecrim: como é uma planta muito resistente, é ideal para quem não tem muito tempo para cuidar da horta. Adaptado a climas mais quentes e secos, pode passar até três dias sem ser regado. É ideal para temperar carnes, especialmente peixe e frango.

Salsão: resiste bem ao inverno e precisa ser regada diariamente para se desenvolver. Usada em sopas, saladas, omeletes e sanduíches.

Hortelã: como as raízes são mais profundas que as das demais ervas, deve-se sempre plantá-la sozinha em um vaso, para não prejudicar o desenvolvimento das outras plantas. Bastante apreciada pela culinária árabe, vai bem em assados e grelhados e pode ser usada na decoração de pratos e no preparo de chás.

Orégano: se adapta bem em vários ambientes e exige pouca água para se desenvolver. Conhecido por seu uso em pizzas, o orégano também pode ser utilizado em molhos e assados.

Pimenta: resistente, é uma planta que gosta de espaço para se desenvolver. Vale a pena plantá-la sozinha na floreira, para que consiga crescer rapidamente. Com seu sabor picante, vai bem em molhos, conservas e temperos.

Sálvia: resiste bem às baixas temperaturas, então se dá bem no inverno. É ideal para quem não tem muito tempo para cuidar, porque pode ser regada a cada dois dias. É usada principalmente para a decoração de pratos e para temperar carnes mais gordurosas, como carne de caça.

Tomilho: é do tipo que não gosta de muita água e pode ser regado a cada dois dias. Uma dica importante: quanto menor a umidade no vaso, mais cheiroso o tomilho fica. Usado principalmente em ensopados e molhos à base de vinho.

*Marcelle Hergert é formada em Design de Ambientes e graduada do curso de Arquitetura e Urbanismo. Atua na área de design de interiores, paisagismo , consultoria em feng shui e acompanhamento de obras. É Apaixonada por arquitetura, design e paisagismo desde pequena e fascinada desde cedo por sustentabilidade.

Fonte: ImovelWeb