Afinal de contas, o que é Régua de Cobrança Amigável? É um processo, uma linha de acompanhamento do atraso no pagamento da taxa condominial.

“Os condomínios têm que ser administrados por processos em diferentes aspectos, sejam administrativos, de convivência, financeiros. Dentre eles, a cobrança”, pontua Luis Eduardo Caracik, diretor da Êxito, empresa especializada em cobranças há mais de 25 anos.

Na régua de cobrança amigável, o condomínio estabelece quando e como será feita a cobrança do condômino impontual (atrasado, mas dentro do mês) ou inadimplente (passados mais de 30 dias do vencimento).

Exemplo prático de uma régua de cobrança amigável

Cada administradora trabalha com a sua própria régua padrão, mas o ideal é que ela seja customizada de acordo com o perfil de cada condomínio.

Para exemplificar, o síndico profissional Alexandre Prandini, da Mr. Síndico, compartilhou a régua de cobrança com a qual trabalha:

1o CONTATO – 3-4 dias após o vencimento da cota condominial, dispara uma mensagem amigável via WhatsApp para o condômino impontual: “Bom dia, fulano! Espero te encontrar com saúde. Queria conversar sobre a cota condominial deste mês ??”. Segundo ele, muitas vezes a pessoa esqueceu de pagar ou não pegou o boleto e a mensagem já resolve. “Com a pandemia, muitos condomínios só estão disponibilizando o boleto por vias digitais e a pessoa ainda não se acostumou”, explica Prandini.

2o CONTATO – a 10 dias do vencimento da próxima cota: para quem não retornou ou não respondeu ao whatsapp, Prandini faz um telefonema. “Uso a mesma abordagem amigável para entender o que está acontecendo, qual é cenário deste condômino. Pode ser desemprego, redução da renda, afastamento médico do trabalho, até falecimento.” Até aqui e com uma cota em aberto, o pagamento é sem parcelamento.

3o CONTATO – Quando vence a segunda cota: faz uma nova ligação para saber se há previsão de pagamento do mês em aberto e apresenta uma proposta de acordo: 30% de entrada e parcela o resto em até 6 meses. “Mantenho essa proposta de acordo quando há cotas em aberto por até 90 dias. Essa proposta é semelhante ao que o juiz vai oferecer se houver ação judicial.”
JURÍDICO EM AÇÃO: Quando acumula três cotas em aberto, sem acordo: é chegada a hora de transferir para o jurídico. Pode ainda haver um acordo extrajudicial, com confissão de dívida assinada pelo condômino.

AÇÃO JUDICIAL: Se não chegar a um acordo extrajudicial, parte-se para ação judicial.